sábado, 22 de janeiro de 2011

A reconstrução do pós-guerra

Com o surgimento dos regimes fascistas na Europa, sendo estes grandes potências industriais, veio-se a alertar o surgimento de um novo conflito mundial, que talvez tivesse tido a sua encenação na Guerra Civil de Espanha entre os 1936-1939, disputada entre os falangistas( apoiantes do general Franco) e a Frente Popular onde as potências fascistas contribuíram com o seu apoio para a implantação de um regime ditatorial e onde estes mesmos testaram a industria bélica que mais tarde viriam a utilizar na Segunda Guerra Mundial.
Por mais bem preparados e por mais investimentos que tivessem feito na industria pesada os regimes fascistas vieram a sofrer a derrota desta vez também. Países como França, Inglaterra, EUA e talvez a principal protagonista a URSS saíram vencedores fazendo frente aos regimes autoritários europeus. 
Logo em Fevereiro de 1945 realiza-se a primeira conferência de paz em Ialta com o objectivo de se estabelecerem as regras que devem sustentar a nova ordem internacional do pós-guerra. Foi aí que se definiram as fronteiras da Polónia( país antes disputado entre a URSS e a Alemanha), prosseguiu-se à divisão da Alemanha pelos países vencedores, planeou-se uma futura conferência sobre a questão da fundação da Organização das Nações Unídas(ONU) e tal como no Tratado de Versalhes estabeleceu-se uma quota a pagar pela Alemanha devido às reparações da guerra. Mais tarde viria a ser desenvolvida uma outra conferência, desta vez em Potsdam, mas desta vez num clima mais tenso visto que começavam a surgir as desconfianças em relação às ideias expansionistas de Estaline e do regime comunista. Os princípios desta conferência baseavam-se na ordem política, ou seja, principalmente na destruição do regime totalitário alemão. Dizendo por outras palavras nesta conferência foram discutidos e aprovados princípios meramente relacionados com ideologias. 
Como não podia deixar de acontecer, após a guerra surge um novo quadro geopolítico, acontecimento comum após um conflito de ideologias e potencias industriais. Deste modo a Alemanha fica dividida pelos vencedores e surgem novos países independentes, principalmente no território africano, onde muitas antigas colónias conseguem libertar-se do domínio da metrópole. 
Por outro lado, ao serem libertados pelos soldados russos do regime nazi, alguns países da Europa de Leste adoptaram rapidamente o sistema socialista e fizeram com que surgisse uma nova desconfiança da parte do mundo capitalista que tanto como os socialistas queriam divulgar a sua ideologia e acumular cada vez mais apoiantes. Surge portanto uma grande concorrência mútua entre os capitalistas( EUA) e os comunistas ( URSS) devido às suas ideologias. Falo nos EUA e na URSS porque eram as duas maiores potências mundiais existentes naquela altura e duas grandes rivais devido às suas ideologias que tanto queriam expandir pelo mundo fora. Contudo num dos discursos  que o primeiro-ministro inglês, Winston Churchill, faz na Universidade de Fulton este fala sobre o receio de a Rússia querer tudo aquilo a que ela, a seu ver, tem direito e poder desta forma provocar um outro conflito, ou seja, já logo após o final da guerra Churchill chama a atenção para o perigo de uma nova guerra mas desta vez provocada pelo regime comunista que tem vindo a ameaçar o mundo capitalista. Em resposta, Estaline apresenta um argumento pouco fundamentado e talvez até sem qualquer nexo comparando o PM inglês ao chanceler alemão, Hitler, afirmando que este apenas validava e valorizava os povos que falassem a língua inglesa, ou seja, querendo dizer que Churchill fazia o mesmo que o Hitler fez com as questões relacionadas com a etnia racial e com a língua germânica, criando deste modo um povo egocêntrico e superior aos outros povos existentes. Atrevo-me a afirmar que tal comparação é pouco racional e não tem qualquer fundamento que a prove, visto que Churchill apenas elogiou os EUA e o mundo capitalista por estarem no cume do poder mundial e não teve qualquer intervenção onde evidenciasse a importância da língua inglesa ou algo do mesmo género. 
Como já tinha referido, em 1945 foi criada uma organização de ilimitada importância para uma paz estável e duradoura que ainda na actualidade existe e é denominada como ONU, ou seja, Organização das Nações Unidas. Os propósitos fundamentais da ONU são: manter a paz, desenvolver relações de amizade, desenvolver a cooperação internacional e funcionar como centro harmonizador. Na Declaração Universal dos Direitos do Homem, em 1948, todos os documentos fundamentais das Nações Unidas passaram a fazer parte dando uma maior credibilidade e diversidade à Declaração. Deste modo para além dos Direitos atribuídos em 1789 na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão esta nova Declaração viria a ter um valor não apenas relacionado com os direitos sociais do Homem, mas sim um valor económico-social. 
Por sua vez a ONU era constituída por múltiplos órgãos de funcionamento tal como: a Assembleia-Geral, o Conselho de Segurança, o Secretariado-Geral, o Conselho Económico e Social, o Tribunal Internacional de Justiça e o Conselho de Tutela.
Surgem também agências especializadas entre as quais a FMI( Fundo Monetário Internacional) e o BIRD( Banco Mundial) sendo este capitalista visto que a maioria dos países aderentes à ONU regiam-se pelos sistema económico capitalista.
O pós-guerra trouxe muitas mudanças a nível mundial tanto geopolíticas como sociais e económicas. Observou-se o crescimento e a constante concorrência entre as duas maiores potências mundiais, URSS e EUA, que mais tarde seria conhecida como a Guerra Fria devido à sua característica mútua e constante tensão vivida mundialmente. A criação da ONU foi talvez a melhor medida tomada com o fim de evitar qualquer conflito futuro que poderá surgir e que ainda hoje desempenha um cargo importantíssimo a nível mundial sendo a coordenadora da paz e da coesão mundial.  

Sem comentários:

Enviar um comentário