domingo, 3 de outubro de 2010

A regressão do demoliberalismo

No período após-guerra, a Europa encontrava-se numa situação extremamente difícil, tanto a nível económico como a nível social. Porém, o principal problema continuava a ser a grave situação económica que se mantinha firme e não permitia o desenvolvimento dos países europeus.
Inúmeras greves e manifestações eram organizadas pelos operários europeus, que se baseavam no sistema predominante na Rússia, e que pensavam que os seus países deviam seguir para um melhor funcionamento da sociedade.
Mesmo havendo países europeus, onde predominava o capitalismo, que estavam contra a Rússia e contra o seu sistema, esta segunda potência nascente continuava a querer expandir o comunismo por todo o mundo, ou seja, estes pretendiam com que nascessem revoluções socialistas no território europeu.
Os partidos socialistas e sociais-democratas da Europa, que quisessem seguir o mesmo rumo que o Partido Comunista na Rússia, eram obrigados a libertarem-se das tendências reformistas-revisionistas, anarquistas e pequeno-burguesas e deviam apoiar o bolchevismo e o centralismo democrático. Só desta maneira estes partidos poderiam vir a ter o nome de partidos comunistas.
Devido a estes acontecimentos, em todos os países europeus, se não todos, a maioria, sofreu alterações a nível social e político.
Na Alemanha, por exemplo, os operários, os soldados e marinheiros reuniram-se em conselhos, inspirados no modelo russo. Graves conflitos a nível nacional surgiram e no território alemão. A facção de extrema-esquerda do partido social-democrata enfrentava a República parlamentar de Weimar. Os revolucionários proclamaram em Berlim uma república socialista, e mais tarde fundaram o Partido Comunista alemão. A fundação deste partido fez com que as forças leais ao Governo executassem os chefes do movimento comunista. Porém, alguns meses depois, os operários e os chamados comunistas voltaram a mostrar o seu descontentamento através de novas manifestações.
Basicamente a mesma situação viu-se na Hungria. Devido à pressão interna e externa o comunismo não conseguiu desenvolver-se o suficiente e o seu líder retirou-se em Agosto de 1919.
Na Itália também podia observar-se o mesmo cenário, tal como na França e Grã-Bretanha.
Uma solução prevista para a resolução deste problema a nível de todo o território europeu foi a recorrência ao autoritarismo. Para a burguesia financeira e mesmo para os pequeno-burgueses e classes médias, que estavam afectados pela enorme inflação que lhes roubava o poder de compra, a instalação do regime autoritário era a única solução para o melhoramento da economia nacional e para a paz e dignidade do país e do povo.
Foi assim que surgiram os primeiros movimentos autoritários, conservadores e nacionalistas, principalmente onde a democracia liberal não dispunha de bases suficientemente fortes.
Desta forma, na Itália, surge Mussolini, que ao organizar a Marcha sobre Roma, obrigou o rei italiano a nomeá-lo chefe do Executivo. Foi aí que Mussolini instalou no território italiano a sua ditadura conhecida como fascismo. Para o chefe italiano, o Estado representava "...a colectividade nacional...".
Tal como na Itália, nos outros países europeus como a Espanha, Hungria,Bulgária,Grécia,Portugal, Polónia, Áustria e outros foi implantado um governo autoritário.
Na Alemanha com o aparecimento de Hitler, também foram grandes as mudanças, pois pouco tempo mais tarde surgiu o nazismo, que foi a ditadura da direita mais trágica alguma vez conhecida.
Devido a todas estas mudanças, notou-se obviamente a regressão do demoliberalismo e a implantação do autoritarismo como solução para a resolução dos problemas existentes a nível europeu.

1 comentário:

  1. Igor tudo isto está correcto mas, quem nao souber nada de História, fica sem saber o que e isto de recuo do demoliberalismo, se ha um recuo é porque ja tinha havido avanços e eles nao são esclarecidos no texto.
    Deveria ter começado o blogue pelo fim da 1ª Guerra Mundial, passar a Revolução Russa e, seguidamente falar do recuo do demoliberalismo, só assim será possível entender o texto.
    Bom trabalho.

    ResponderEliminar